23/03/2013

Séquito de colcheias




choram as palavras
fogem plos espirais do fogo
                                     são fumo
enquanto metáforas agonizam no inferno da cinza
                             a ode da indiferença

 
soltam-se das cordas de todos os violinos
musicas terminais
são o séquito profundo das colcheias 
                                                      aos segredos do nada


não é arte não isto que sinto hoje na pele
é o vogal mistério
que arrasta sem pejo
uma bruma seca no sal da recusa


a solene e dolorosa derrocada
esmagando impiedosamente
 o caos silábico no alfabeto da escrita



que seja então feito de cor o meu sentido... 







                                                                                "temos um talento doloroso e obscuro
                                                                               construímos um lugar de silêncio
                                                                                 de paixão"



                                                                                          



4 comentários:

  1. Aqui há áreas de liras e violinos em sobressalto.
    Kiss
    PM

    ResponderEliminar
  2. Here the Moon reflets the sound...





    kiss
    :-)

    ResponderEliminar
  3. Enquanto metáforas ... a ode da indiferença ... talvez tenha que transformar as figuras de estilo. Bonito texto. Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Agora que este anónimo está identificado, :-), sei já a quem vou responder, por isso digo, certa de que vai entender:


    As figuras de estilo valem muito, pouco ou até nada, dependem invariávelmente da intensidade de cada momento.
    Por vezes nem precisam de transformação, vão tal como vieram, seguindo o fenómeno natural da constante alteração...



    Abraço-o "Cis", ternamente, e agradecida pelo comentário deixado aqui.
    :-)

    ResponderEliminar

Obrigado por me vir ler e comentar.