17/03/2013

Quieto vôo

(Portinho da Arrábida - hoje)



o olhar é um pensamento
medido por detrás da imobilidade das palavras
e até o Mar inesgotável desliza no silêncio

quando o lento acordar das vozes submersas
se abre ao leque gradual da luz
ouve-se a dor dos pássaros
sente-se a dor do mar

 na doce demência arrancada às pedras
onde tudo se purifica
a água mastiga alegorias
e eu...
 vou sentindo na imagem que me habita 
um ar estático no movimento do sal





(foto minha)


Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado por me vir ler e comentar.