21/03/2013

Lugar de Poesia


(Ilha de S.Miguel)

recolho-me entre o céu e o mar
no patamar da solidão abençoada
deixo aos dedos o envolvimento das palavras
enquanto o sangue jorra na alma
a desconcertante métrica dos sentidos

 um ritual solene de poentes

e há no  fresco acordar do vesuvius
silabas convertidas em metáforas de noites quentes
a fazer  acontecer palavras
no limbo de cada madrugada


é a nascente que vou parindo o nome e o sentido do poema





2 comentários:

Obrigado por me vir ler e comentar.