11/03/2013

Sublime dança



a transparência desabotoa-me o vestido
e na substrução cumplice do gesto
emerge também a tua pele
ousando o rumo na exaltação do ópio
onde as borboletas intensificam
a tremura dos sentidos 

entrelaço agora a saliva e a conduta
deslizando-as num tango sem máscaras
                                                                            e sem palavras

nua
sorrindo no palco do teu peito

onde ancoro uma lembrança
                                          e outra ainda

percorrendo pérola a pérola um colar de vertigem

  intima e uterina a dança
tão desvelada e tão profética
e é nesse delirio
                           confesso
que os gemidos multiplicam os acordes finos

                                                               de violoncelos
                         
                                               de violinos

e o vento lá fora
escrevendo e cantando
                       a ousadia de viver





(foto minha)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado por me vir ler e comentar.